Descubra a Adega e as Quintas

NASCIDO, AMADURECIDO E ENGARRAFADO NO VALE DO DOURO

De que importa trabalhar bem na adega, se a origem das uvas não for a melhor? O legado mais importante que recebemos dos nossos antepassados foi a aprendizagem de que o vinho se faz na vinha. Por isso, cultivamos 100 hectares de vinha, além de 25 hectares de olival biológico, em cinco propriedades no vale do Douro, nas sub-regiões do Cima Corgo e Douro Superior. Essa diversidade fornece uvas de aromas e sabores variados que nos ajudam a criar vinhos originais e a fazer algumas experiências emocionantes pelo caminho.

A paixão dos nossos antepassados pela viticultura e o respeito pela terra que nos rodeia levam-nos todos os dias a cultivar um legado sustentável para as próximas gerações.

Em 2005 foi plantámos o nosso olival biológico. Seguiram-se as vinhas em 2012 e, ano após ano, continuamos a aumentar progressivamente a área orgânica enquanto trabalhamos para diminuir o impacto nas restantes propriedades, utilizando equipamentos mais sofisticados que ajudam a reduzir o uso de elementos artificiais.

Quevedo-313_rosario
Quinta Senhora do Rosário
Esta vinha é a mais antiga das propriedades da Quevedo e é aqui que se encontra a adega. Deve o seu nome à capela da Senhora do Rosário situada junto à propriedade.
P9195169_AGODINHO
Quinta Vale D’Agodinho
Adquirida apenas com algumas amendoeiras, esta propriedade é hoje a trave mestra dos nossos melhores vinhos e Portos.
IMG_8007_TROVISCA
Quinta da Trovisca
A Trovisca é a nossa maior vinha e o nosso campo experimental favorito. Todos os enólogos gostam de ter um lugar para testar novas variedades ou processos de viticultura, e este é o nosso.
IMG_6841_valeira
Quinta da Valeira
A Valeira possui aquele que é certamente um dos mais belos miradouros do Douro.
IMG_1393 (1)_alegria
Quinta da Alegria
A Quinta da Alegria é uma das poucas vinhas do Douro com uma estação ferroviária no meio da propriedade. O caminho-de-ferro, que liga o Porto ao Pocinho, divide as culturas plantadas: a vinha acima da linha de caminho-de-ferro, e a laranjeira, tangerina e limoeiro abaixo, contornando a frente ribeirinha ao longo de 720 metros.